Música para os olhos

SIPAT 2015
20 de novembro de 2015
Confira a relação de aprovados na segunda fase para o Concurso de Residência 2016
24 de novembro de 2015

Música para os olhos

Rastreador ocular Manuela Marin sentada em frente ao rastreador ocular, com uma imagem da sua pupila direita exibida na tela. Crédito: Copyright: Bruno Gingras

Quando ouvimos música, nossas reações emocionais a ela são refletidas em mudanças no tamanho das pupilas. Pesquisadores da Universidade de Viena e da Universidade de Innsbruck, na Áustria, são os primeiros a mostrar que ambos o conteúdo emocional da música e o envolvimento pessoal dos ouvintes com a música influenciam na dilatação das pupilas. Esse estudo, publicado na revista científica Frontiers in Human Neuroscience, demonstra que a medição do tamanho das pupilas pode ser usada com eficácia para examinar reações dos ouvintes à música.

Rastreador ocular Manuela Marin sentada em frente ao rastreador ocular, com uma imagem da sua pupila direita exibida na tela. Crédito: Copyright: Bruno Gingras

Rastreador ocular
Manuela Marin sentada em frente ao rastreador ocular, com uma imagem da sua pupila direita exibida na tela.
Crédito: Copyright: Bruno Gingras

O tamanho das pupilas se ajusta reflexivamente à quantidade de luz ambiente, contraindo à luz do dia e dilatando a noite. Entretanto, o tamanho das pupilas também é modulado por pensamentos, emoções ou esforço mental. Por exemplo, as pupilas dilatam em resposta a imagens sexualmente explícitas, ou quando tentamos resolver um cálculo mental complicado.

Os sons também podem provocar dilatações nas pupilas, dependendo do seu conteúdo emocional. Sons altamente estimulantes, tais como as vozes de um casal discutindo, provocam maiores dilatações nas pupilas do que sons neutros, como o ruído de segundo plano de um escritório. Todavia, apesar de que a música frequentemente induza a fortes emoções em seus ouvintes, até recentemente a dilatação das pupilas em resposta à música não havia sido investigada sistematicamente.

Usando trechos de música curtos da era romântica, conhecida pelo seu estado de espírito emocional, uma equipe de pesquisadores liderada por Bruno Gingras (Universidade de Innsbruck) mostrou que as pupilas dos ouvintes dilatavam em resposta à música emocional. Trechos mais estimulantes foram associados com maiores dilatações de pupilas do que trechos calmos e relaxantes. Bruno Gingras explica também que “maiores dilatações foram observadas em ouvintes que relataram que a música tem um papel importante em suas vidas.” No geral, os resultados sugerem que respostas emocionais à musica são refletidas no tamanho das pupilas, com ambos conteúdo emocional da música e envolvimento pessoal dos ouvintes com a musica influenciando a dilatação das pupilas.

Para chegar a esta conclusão, Gingras, trabalhando no laboratório de Tecumseh Fitch em colaboração com Manuela Marin e Estela Puig-Waldmüller (todas da Universidade de Viena), selecionou 80 trechos de trios de piano e pediu a 30 participantes para classificar estes trechos por seus conteúdos emocionais. Outro grupo de 30 participantes, sem nenhum conhecimento do propósito do experimento, escutou a estes trechos enquanto o tamanho de suas pupilas era medido com o uso de um rastreador ocular, antes de preencher um curto questionário que incluía questões sobre seu relacionamento com a música.

De acordo com Manuela Marin, este estudo sugere que “um efeito recíproco entre recursos musicais e características individuais dos ouvintes influencia a resposta das pupilas à música, e provavelmente respostas emocionais também.” Mais pesquisas, usando uma maior variedade de géneros musicais, bem como uma análise mais sofisticada do envolvimento dos ouvintes com a música, são necessárias para explorar este fenômeno com mais completude. No entanto, acrescenta Bruno Gingras, “nossa pesquisa demonstra claramente que a medição do tamanho da pupila é uma ferramenta promissora para analisar as reações emocionais à música. Além disso, já as respostas das pupilas não podem ser controlados voluntariamente, elas proporcionam um acesso direto aos processos pré-conscientes dos ouvintes em resposta à música.”

Fonte: http://www.medicalnewstoday.com/releases/302598.php

Deixe uma resposta